Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Degraus de Saber

Biblioteca do Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil - Baião

Degraus de Saber

Biblioteca do Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil - Baião

Um mês, um departamento, um saber: a Filosofia e o cinema

BibliotecaH, 23.11.13

E terminamos a Semana da Filosofia, com mais uma proposta de filme da professora Isabel Felício

 

«O Nome da Rosa»

Título original: «The Name of the Rose»

Realização: Jean-Jacques Annaud  

Ano: EUA, 1986

Baseado no livro com o mesmo nome, de Umberto Eco

Sinopse:

Estranhas mortes começam a ocorrer num mosteiro beneditino localizado na Itália durante a baixa idade média, onde as vítimas aparecem sempre com os dedos e a língua roxos. O mosteiro guarda uma imensa biblioteca, onde poucos monges têm acesso às publicações sacras e profanas. A chegada de um monge franciscano, incumbido de investigar os casos, irá mostrar o verdadeiro motivo dos crimes, resultando na instalação do tribunal da Santa Inquisição. O monge levanta questões pertinentes, não se ficando pelas explicações mais óbvias e aparentes, utilizando sempre uma observação atenta e o raciocínio dedutivo.

Entre os séculos XII e XIII regista-se o surgimento da Escolástica, que fornece o contexto filosófico-teológico das disputas que se dão na abadia em que decorre O Nome da Rosa. A Escolástica significa literalmente "o saber da escola", ou seja, um saber que se estrutura em torno de teses básicas e de um método básico que é compartilhado pelos principais pensadores da época.

A influência desse saber gira, em grande medida, em torno do pensamento de Aristóteles, trazido pelos árabes, que traduziram muitas de suas obras para o latim. Essas obras continham um acervo de saberes filosóficos e científicos da Antiguidade que poderiam despertar interesse pela curiosidade e inovações científicas.

Mas há uma grande resistência por parte de alguns monges no acesso a este conhecimento, que consideram perigoso, por porem em causa conhecimentos adquiridos, que consideram certos e seguros.


(Texto elaborado pela professora de Filosofia e Psicologia, Isabel Felício, do departamento de Ciências Sociais e Humanas)