Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Degraus de Saber

Biblioteca do Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil - Baião

Degraus de Saber

Biblioteca do Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil - Baião

Hoje é o Dia Mundial da Mulher!

BibliotecaH, 08.03.07

Para este dia escolhemos um artigo da revista Audácia, sobre Marie Gouze, uma das mulheres da Revolução Francesa que se destacou pela defesa feminista da igualdade, liberdade e fraternidade.


"Marie Gouze nasce em 1748, na cidade de Montauban, em França. Aos 16 anos, casa-se com um homem muito mais velho e rico. Enviúva dois anos depois e muda-se para Paris. Quer ser mulher de letras. Passa a chamar-se Olympe de Gouges.

A sua caligrafia, gramática e ortografia reflectem uma instrução pobre. Não é uma autora de sucesso, mas as suas obras são revolucionárias. É, entre 1788 e 1793, a única mulher a testemunhar os principais episódios que levam à Revolução Francesa e a escrever sobre eles. Inunda Paris com cartazes, panfletos e tratados políticos. Escreve peças de teatro, novelas e artigos sobre política e relações sociais. Dirige o jornal L’ Impatient. Funda a Sociedade Popular das Mulheres e publica, em Setembro de 1791, a «Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã», como resposta à «Declaração dos Direitos da Homem e do Cidadão», de dois anos antes. Reivindica a igualdade dos direitos da mulher à educação, ao voto, à propriedade privada, a cargos públicos, à política, à participação no exército e à igualdade de poderes na família e nos organismos sociais, nomeadamente na Igreja. Reclama também o direito ao divórcio, ao reconhecimento dos filhos nascidos fora do casamento e à herança pelas mulheres.

Gouges abraça igualmente outras causas: a abolição da escravatura, o fim da pena de morte, a construção de orfanatos e maternidades para mães solteiras e a criação de um teatro para a dramaturgia feminina.

Revoltada com o regime de terror estabelecido pelos revolucionários Marat e Robespierre, ataca-os duramente. Estes consideram-na uma mulher perigosa e o Tribunal Revolucionário condena-a à morte na guilhotina, em 1793.

As suas ideias só vingarão no século xx."


(Artigo retirado de
http://www.audacia.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEuEpVukVunUroFSYH)



Na Biblioteca encontras uma exposição sobre uma mulher que também deixou a sua marca, a escritora Sofia de Mello Breyner Andresen. Boas leituras!

1 comentário

Comentar post